Como passa um rapaz do 7º ano os seus os tempos livres

Vejamos o que nos conta um aluno do 7º ano português do Agrupamento de Escolas D. Lourenço Vicente a respeito de como é que ele passa os tempos livre; ou passava, visto ele ter escrito estas palavras há 7 anos.

Tempos Livres

Um dos meus tempos preferidos é jogar futebol, mas não

Continuar leyendo Como passa um rapaz do 7º ano os seus os tempos livres

Mulemba Xangola (Bonga, Marisa Monte e Carlinhos Brown )

Esta música não é assim muito própria do Natal, mas acho que faz bem aos olhos e aos ouvidos. E traz alegria também!

O cantor Bonga, angolano, mais dois brasileiros, Marisa Monte e Carlinhos Brown, cantam esta composição do primeiro, Bonga: Mulemba Xangola.

A mulemba é uma árvore, uma figueira.

mulemba

Angola

Continuar leyendo Mulemba Xangola (Bonga, Marisa Monte e Carlinhos Brown )

Natal sem sinos (Manuel Bandeira)

Um sino NATAL SEM SINOS

No pátio a noite é sem silêncio.E que é a noite sem o silêncio?A noite é sem silêncio e no entanto onde os sinosDo meu Natal sem sinos?

Ah meninos sinosDe quando eu menino!

Sinos da Boa Vista e de Santo Antônio.Sinos do Poço, do Monteiro e da

Continuar leyendo Natal sem sinos (Manuel Bandeira)

Três macacos sábios

Os Três Macacos Sábios (em japonês: 三猿, sanzaru/san’en ou 三匹の猿, sanbiki no saru) ilustram a porta do Estábulo Sagrado, um templo do século XVII localizado no Santuário Toshogu, na cidade de Nikkō, Japão. Sua origem é baseada em um provérbio japonês. Seus nomes são mizaru (o que cobre os olhos), kikazaru (o que tapa

Continuar leyendo Três macacos sábios

Coisas que não há que há (Manuel António Pina)

Este poema de Manuel António Pina (1943 – 2012), jornalista e escritor português, já foi publicado no blogue em 2015, mas achei este vídeo e vale a pena que vocês conheçam estes versos: ouvimos e lemos ao mesmo tempo.

Manuel António Pina foi um grande poeta e dedicou parte da sua obra às

Continuar leyendo Coisas que não há que há (Manuel António Pina)

Perfeitamente atual…

No blogue onde encontrei esta história de Quino, havia, em jeito de nota, estas palavras:  (uma das melhores representações que alguma vez vi acerca da realidade do nosso mundo…) Reparem no mês em que estamos, e o que temos pela frente…O que acham? Concordam ou não?

Continuar leyendo Perfeitamente atual…

O cérebro reptiliano

Está demonstrado que grande parte do comportamento humano se origina em zonas profundamente soterradas do cérebro. O cérebro guarda todas as estruturas das quais evoluiu. A mais antiga e primitiva delas é chamada de «Cérebro Reptiliano«, que controla o lado mais animal e instintivo do ser humano. Na primeira camada temos o cérebro

Continuar leyendo O cérebro reptiliano

Cavalinho, cavalinho (Fausto)

O poema é de Matilde Rosa Araújo e a música e a voz são de Fausto:

CAVALINHO, CAVALINHO

Cavalinho, cavalinhoQue baloiça e nunca tomba;Ao montar meu cavalinhoVoo mais do que uma pomba!

Cavalinho, cavalinho,De madeira mal pintada:Ao montar meu cavalinhoAs nuvens são minha estrada!

Cavalinho, cavalinhoQue meu pai me ofereceu:Ao montar (Read more…)

Continuar leyendo Cavalinho, cavalinho (Fausto)

Meninos na neve (1959)

O fotógrafo japonês Unosuke Gamou retratou a alegria destes meninos ao cair a neve um dia de 1959. Há sessenta anos! A mesma alegria que sentiria hoje qualquer miúdo como estes em qualquer parte do mundo ao ver e sentir a neve. E depois, toca a fazer bolas e atirar contra os outros!

Continuar leyendo Meninos na neve (1959)

Os livros (Eugénio de Andrade)

Fotografia de Marcello Iannotta OS LIVROS

Os livros. A sua cálida,terna, serena pele. Amorosacompanhia. Dispostos semprea partilhar o soldas suas águas. Tão dóceis,tão calados, tão leais.Tão luminosos na suabranca e vegetal e cerradamelancolia. Amadoscomo nenhuns outros companheirosda alma. Tão musicaisno fluvial e transbordanteardor de cada dia.

Eugénio de Andrade

Continuar leyendo Os livros (Eugénio de Andrade)